Claustrofobia Causas - Entenda os Principais Motivos e Origens

Claustrofobia Causas – Entenda os Principais Motivos e Origens

Mais surpreendente ainda é que de 20% a 25% da população mundial tem alguma fobia. A claustrofobia é uma dela, afetando de 4% a 5% das pessoas. Esse medo é irreal e excessivo de locais fechados, incluindo elevadores, aviões e metrôs.

Para quem sofre, a claustrofobia pode ser debilitante. Ela impede essas pessoas de estar ou ficar em ambientes pequenos e sem ventilação.

Os motivos da fobia do ambiente fechado podem variar. Podem ser ligados a questões de sobrevivência, memórias ruins ou traumas psicológicos. Os sintomas incluem desde pânico até sensação de sufocamento e hiperventilação.

Ansiedade e Claustrofobia

Mas, há tratamentos eficazes para a claustrofobia. Coisas como a terapia cognitivo-comportamental e remédios podem ajudar bastante. É animador saber que 75% das pessoas com fobias, como a claustrofobia, conseguem vencer com o apoio da terapia.

O mais importante é pedir ajuda profissional ao notar os primeiros sinais. Isso pode fazer uma grande diferença na qualidade de vida, evitando maiores impactos da fobia.

O que é Claustrofobia?

A claustrofobia é um transtorno psíquico marcado pelo medo irreal de lugares fechados. Isso inclui elevadores e metrôs. Pessoas com esse medo evitam ou ficam ansiosas em espaços fechados e sem ar. Muitas vezes, quem sofre desta fobia sente-se preso e pode ter medo de locais abertos, como na agorafobia. Reconhece-se a claustrofobia quando a pessoa não consegue realizar tarefas do dia-a-dia por causa do medo, tendo sintomas como pânico, sudorese e sensação de asfixia.

Entre 20% e 25% das pessoas no mundo têm alguma fobia. A claustrofobia e a agorafobia afetam de 4% a 5% da população. Até celebridades como Justin Bieber e Uma Thurman já falaram sobre sua claustrofobia.

O tratamento para claustrofobia inclui acompanhamento psicológico e uso de medicamentos. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é muito eficaz. Ela ajuda a pessoa a mudar seus pensamentos e a enfrentar seus medos. Isto é essencial para superar a fobia. A hipnoterapia também funciona bem. Algumas pessoas dizem sentir-se melhores após uma única sessão.

Claustrofobia Adquirida: Experiências Vivenciais e Contextuais

As causas da claustrofobia podem ser devido a fatores ligados ao ambiente e ao corpo. Por exemplo, nossa herança genética nos lembra que estar trancado poderia ser perigoso.

A pessoa também pode aprender a ter claustrofobia. Isso pode acontecer ao ver familiares que têm medo de lugares fechados.

Traumas como abuso na infância também estão ligados a esse medo. Quando algo ruim acontece dentro de um espaço fechado, a pessoa pode associar isso a um perigo sempre presente.

Nos ambientes de saúde, cerca de 10% das pessoas procurando ajuda podem ter síndrome do pânico.

Os tipos de medos que as pessoas sentem são vários. Isso inclui medo de lugares fechados, animais, escuro, ou até de não ser querido.

A Síndrome do Pânico é estudada por médicos e psicólogos. Esses estudos ajudam a entender melhor o medo em nossa vida hoje.

Ano de PesquisaLocalizaçãoUniversidadeGrau AcadêmicoÁrea Acadêmica
2016Belo HorizonteUniversidade Federal de Minas GeraisMestre em PsicologiaEstudos Psicanalíticos
Título da TeseAutorOrientadorMetodologiaTemas-Chave
A Experiência da Angústia na Clínica Psicanalítica e na Arte da PerformanceCamila Ferreira SalesProf. Dr. Guilherme Massara RochaInvestigação sobre a importância de avançar a produção teórica através de deslocamentos, desafios, interjeições, suspeitas e outras variáveis para propor novas questões em relação à ansiedade.Angústia, Arte da Performance, Sublimação, Objeto a e Corpo

A revista “Molecular Psychiatry” é muito importante hoje em dia. A maioria dos estudos realizados em psiquiatria olha para a base das ciências.

A psiquiatria, que cuida da nossa saúde mental, ainda precisa de mais provas científicas.

Não temos ainda métodos completamente precisos para ajudar todos os casos. Mesmo assim, especialistas do mundo inteiro estão se unindo para entender melhor os problemas mentais.

Influência da Genética na Suscetibilidade à Claustrofobia

Algumas pesquisas dizem que a claustrofobia pode estar ligada à genética. Elas falam sobre o papel de uma “memória filogenética”. Isso poderia explicar o medo de espaços fechados como um mecanismo de sobrevivência da evolução. Estudos apontam que traços de personalidade e funcionamentos no cérebro, como a amígdala cerebral, também influenciam. Por último, tem a ideia de que os claustrofóbicos podem ver os locais fechados como mais apertados do que são. Isso ativa um mecanismo de defesa.

Ansiedade e Claustrofobia: Interseções e Manifestações Clínicas

A claustrofobia é uma fobia que tem tudo a ver com a ansiedade. Para quem tem medo de espaços fechados, a sensação ruim é forte. Ataques de pânico e ansiedade antecipatória atacam, trazendo suor, coração acelerado, respiração ofegante, e você pode se sentir até sufocado.

Quem sofre desse medo também sente que está trapace. Escapar parece impossível, o que aumenta ainda mais o medo. Com o tempo, muita gente começa evitar lugares que sabem que vão desencadear o pânico, como elevadores ou salas pequenas.

Além disso, a claustrofobia pode afetar o bem-estar mental. Pode levar à solidão e até estragar amizades por causa do afastamento das pessoas.

Influência da Genética na Suscetibilidade à Claustrofobia

Você pode gostar desse post é relacionado: Agorafobia e Tecnologia: Inovação no Tratamento

Conclusão

A claustrofobia é um desafio, mas seus tratamentos são eficazes. A terapia cognitivo-comportamental, incluindo técnicas como a dessensibilização sistemática, ajuda muito. Ela foca em mudar os pensamentos negativos e crenças que causam ansiedade. Também ensina a pessoa a enfrentar medos aos poucos.

Usar técnicas de relaxamento e certos remédios pode ser útil também.

Procurar ajuda especializada cedo é fundamental. Se não tratada, a claustrofobia impacta muito a vida da pessoa. O tratamento inclui terapias e, às vezes, medicamentos. É importante buscar ajuda profissional para viver melhor com a condição.

Perguntas frequentes

O que é claustrofobia?

A claustrofobia é um medo extremo de espaços fechados, como elevadores e aviões. Afeta quem não consegue ficar em lugares apertados. As pessoas com esse medo evitam ou se sentem mal nesses locais.

Quais são os principais sintomas da claustrofobia?

Os sintomas incluem pânico, suores e sensação de sufocamento. A pessoa pode sentir-se apertada e ter falta de ar. Tudo isso junto faz com que as pessoas se sintam muito mal.

Quais são as possíveis causas da claustrofobia?

Fatores genéticos e traumas são possíveis causas. Há pessoas que, por sua história familiar, têm mais chance de desenvolver o medo. Eventos traumáticos ligados a espaços fechados também podem ser gatilhos.

A genética pode influenciar a suscetibilidade à claustrofobia?

Sim, provavelmente. Alguns estudos apontam para uma herança genética. Essa herança “lembra” que lugares fechados podem ser perigosos. Assim, a pessoa pode sentir medo deles como uma forma de se proteger.

Como a ansiedade se relaciona com a claustrofobia?

A claustrofobia e a ansiedade estão muito ligadas. Em espaços fechados, a pessoa pode ter fortes emoções. Isso inclui um aumento da frequência cardíaca e dos suores, além da sensação de estar sufocando.

Existem tratamentos eficazes para a claustrofobia?

Sim, há maneiras de tratar a claustrofobia. A terapia para mudar pensamentos negativos é uma opção. Também é comum aprender a relaxar e, às vezes, tomar medicamentos. Tudo isso ajuda a pessoa a enfrentar seu medo gradualmente.

E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. O que vocês pedirem em meu nome, eu farei. João 14:13-14

Se você gostou desse post? Pode gostar desse também: Agorafobia: Experiências pessoais

Links de Fontes

  1. https://www.vittude.com/blog/claustrofobia/
  2. https://psiquiatradrakarinecunha.com.br/voce-sabe-o-que-e-claustrofobia-descubra-aqui-as-3-principais-causas/
  3. https://omnihypnosis.com.br/blog-claustrofobia/
  4. https://www.napratica.org.br/o-que-e-inteligencia-emocional/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *